Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

PODÓLOGA VANIA PAVONI , NOS EXPLICA UM UM POUCO SOBRE PODOLOGIA


RADIO WEB MIX100 GUAPORÉ RS
POR=Vania Teresinha Pavoni
OLHO DE PEIXE OU VERRUGA PLANTAR
OLHO DE PEIXE: O QUE É?
O olho de peixe é um tipo de verruga que resulta de uma infeção viral benigna na pele, resultante do contacto com o papilomavírus humano (HPV) e que aparece na planta dos pés.
Vulgarmente conhecida como olho de peixe, a designação foi inspirada na semelhança com um olho de peixe e caracteriza-se por um nódulo, com superfície áspera e escamosa, com pontos capilares vermelhos ou negros.
A verruga pode ser profunda e normalmente dolorosa (mirmecia) ou desenvolver-se mais à superfície, formando placas(verruga em mosaico), menos dolorosa.
As lesões são contagiosas e podem ser facilmente disseminadas para outras partes do corpo. A contaminação de outras pessoas é facilitada pelo contacto desprotegido com os mesmos ambientes.
O QUE É O HPV E COMO SE CONTRAI NO CASO DO OLHO DE PEIXE
O papilomavírus humano (HPV) é um vírus que causa infeções na pele e nas mucosas e pode manifestar-se, nomeadamente através das verrugas plantares.
CONTÁGIO
O contágio pode decorrer do contacto direto ou indireto com pessoas que tenham a lesão, nomeadamente através de superfícies contaminadas, em especial se forem quentes e húmidas (balneários, água parada à volta das piscinas) e introduz-se no organismo através de pequenos traumatismos na pele.
Como o contágio se faz facilmente, é necessário ter em especial atenção as crianças que fazem piscina ou utilizam o balneário do ginásio da escola, por exemplo.
PERÍODO DE INCUBAÇÃO
Após inoculação, o período de incubação varia entre três semanas e oito meses.
SINTOMAS
O Olho de peixe pode causar pouca ou nenhuma sintomatologia dolorosa ou provocar dor ou sensibilidade ao caminhar ou ao permanecer de pé.
As lesões podem ser pequenas e singulares ou formarem aglomerados com maior cobertura da pele.
A lesão é carnuda, com aspeto de uma pele mais grossa, por vezes descamativa. Os pontinhos são provocados pela coagulação de vasos sanguíneos.
QUANDO CONSULTAR UM MÉDICO
O Olho de peixe pode ser confundido com outras formas clínicas de lesão plantar (calos, quistos ou outras lesões de maior gravidade) pelo que, na presença de lesões, é importante consultar um médico para fazer um diagnóstico preciso e determinar o tratamento mais adequado, em especial se:
• Não tem a certeza em relação ao tipo de lesão;
• A lesão muda de aparência ou de cor;
• A lesão é persistente e não reage ao tratamento, multiplica-se e é recorrente;
• Tem o sistema imunológico comprometido devido a medicação ou doenças do sistema imunitário.
PREVENIR O OLHO DE PEIXE
A prevenção passa pela adoção de um estilo de vida e de uma dieta alimentar que contribuam para o fortalecimento do sistema imunológico.
Exercício físico e uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes e proteínas magras, podem ter efeitos muito benéficos.
Adicionalmente há outros cuidados que deve ter para manter os pés saudáveis:
• Evite andar descalço, em especial em locais públicos e húmidos (piscinas, chuveiros, vestiários de ginásios, praia);
• Mantenha os pés limpos e secos (limpe bem a pele entre dos dedos);
• Não partilhe toalhas, meias ou calçado;
• Evite usar sapatos sem meias;
• Use proteção ou lave bem as mãos depois de tocar nas verrugas;
• Use utensílios próprios (limas, pedras pome, etc.) nas verrugas;
• Lave a zona do duche com desinfetante;
• Tome banho depois da praia.
TRATAMENTO
O Olho de peixe, por vezes, tem regressão espontânea mas, na maioria dos casos, é necessário recorrer ao médico ou a um podologista.
O tratamento pode ser especialmente penoso para as crianças pela dor, medo do tratamento e desconforto que provoca. É preciso ter paciência e estar preparada para distrair a criança durante as sessões de tratamento.
O tratamento deve ser sempre realizado com supervisão médica e pode ter várias abordagens, nomeadamente:
• Físicas (crioterapia ou laser);
• Químicas (ácido salicílico, ácido tricloroacético, ou outros);
• Cirurgia;
• Imunoterapia (medicação para estimular o sistema imunológico).
TRATAMENTO QUÍMICO
O tratamento químico consiste na aplicação de soluções derivadas de ácido salicílico, ácido tricloroacético, ou outros, aplicadas diretamente na verruga. A eficácia do tratamento pode variar segundo a persistência do tratamento. É fundamental ir ao médico / podologista nas datas indicadas e seguir o tratamento em casa à risca.
Quando o tratamento da verruga é feito com químicos, o médico / podologista irá, de acordo com a gravidade da situação, agendar consultas regulares, que podem ser de 15 em 15 dias, para remover a pele morta e limpar muito bem a zona. Esta limpeza é essencial para que o produto químico continue a atuar até à raiz da verruga.
TRATAMENTO COM LASER
A laserterapia é um método que permite cortar e vaporizar a verruga. O aparelho emite um pulso de luz, direcionado para a lesão, que é absorvido pelo pigmento das células sanguíneas da verruga. Esta absorção da luz interrompe corrente sanguínea que alimenta a verruga.
Normalmente, o tratamento a laser não implica anestesia nem a formação de cicatrizes após o procedimento. A pele não é atingida. Podem ser necessários vários tratamentos para remover a totalidade da verruga.
CRIOTERAPIA
O especialista também pode recorrer à técnica da crioterapia aplicando o nitrogénio líquido com uma sonda diretamente na verruga com muito cuidado para não atingir e lesar a pele circundante.
TRATAMENTO CIRÚRGICO
Caso seja necessário tratamento cirúrgico, é feita anestesia local e o corte à volta da lesão. Depois da cirurgia, deve informar-se com o seu médico sobre os cuidados a ter com a limpeza da zona do corte para uma melhor cicatrização.
Estética Khorpus Contato com WhastApp (54)999451942 ou 3443-2952

Compartilhe: